Pular para o conteúdo principal

UM DIA PARA RECORDAR

                                                              

O silêncio apoderou-se de minha fala depois de conhecer o paraíso. 
Quanto, antes, esperava lidar com as palavras e fazer delas um meio de transformação de dias cansados e sem esperança, mas o inusitado sempre acontece e faz parecer que as dimensões não coincidem e a realidade, no final, se vê escravizada nas mordaças do tempo.
Elisa observava a rua através da cortina e não esperava nada mais que o soar do despertador para sair porta a fora, ao encontro de mais um dia de trabalho.
Na rua, vento gelado batendo no rosto, apertou contra si o casaco azul que ganhara de sua avó, alguns anos antes, e com a pressa costumeira correu para pegar o ônibus sempre lotado no início da manhã.
Era para ser mais um dia comum entranhado na rotina das horas, das falas, das leis, das obrigações, só que tudo mudou quando enormes nuvens se formaram no horizonte e, em pouco tempo fez com que o dia perdesse o brilho despejando sobre a cidade a chuva, o granizo e o medo. O vento, sem piedade levava consigo árvores, telhados, coisas, sonhos e esperanças.
Presa entre as mesas, em seu local de trabalho, todo alagado, Eliza procurava dentro de si orações. Elas vinham e fugiam entre o desespero e a fé. Ouvia os gritos dos colegas, o choro e os chamados para que encontrassem um lugar melhor para se protegerem, mas não conseguia se mexer e sair do estado de torpor que tomara conta de si. A água subia rapidamente e passava por suas pernas como se fosse o curso de um rio caudaloso.  Todos fugiram e ali estava somente Elisa e a água que fazia flutuarem as mesas, as cadeiras, os papéis, o trabalho da vida de alguém. Seu Cândido, dono do Estabelecimento, sempre trabalhou duro para prosperar e sustentar a família de quatro filhos e a esposa Maria Ana.
Agora, tudo se acabava na água de uma grande chuva e Elisa, sendo engolida pela água, não conseguia agarrar-se à sua vida. Sem saber nadar, debatia-se na esperança de se firmar em uma superfície sólida, mas não existia mais nada além dela e das paredes. Os gritos desapareceram, ouvia apenas a chuva e o vento rasgando o telhado. Depois nada mais pode ouvir. Desmaiou cansada de lutar contra a água.
Seu corpo afundou na sala inundada do escritório. Uma vida e suas esperanças por um fio, agonizando os acordes finais de tantos sonhos. Até que a água rompeu as paredes do escritório e tudo foi arremessado na rua como uma avalanche e junto Elisa foi arremessada.
Voltou a si sendo observada por várias pessoas na rua. Seus olhos perceberam pela primeira vez o brilho da vida. Sentou-se, fechou os olhos e agradeceu a Deus. Sorriu para todos e disse: “Voltei do paraíso e agora preciso viver. Quando for a hora já sei como chegar lá!”.

Helena Rosali


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PATCHWORK

Carteira matrioskas Panô de costura e chaveiro Bolsa vintage Panô de costura e chaveiro

NETINHO

Netinho

Meu netinho querido, te esperei tanto e, por tantos anos desejei olhar seus olhos e sorrir teu sorriso brincar de vozinha com brinquedos pela casa e cheiro de bolo assando no forno Seu riso correndo no jardim seus pés de barro sujando a casa limpa, a pipoca esparramada no chão da sala e o desenho animado repetido incontavelmente assistido com você. Querido do meu coração, um dia vou te contar histórias de brinquedos e invenções que presenciei, que criei. Vou falar de sonhos e tradições de nossas famílias. Vou te contar o modo fácil de aprender sobre a vida deixar que você sorria de meus cabelos brancos e pergunte: Por que são brancos vozinha? Certamente direi: Cada um desses fios brancos representam o amor de tantos dias importantes que enriqueceram minha vida, para que pudesse te encontrar hoje e contar pérolas entesouradas no baú da experiência. Helena Rosali