Pular para o conteúdo principal

Ipê amarelo



       Hoje Dourados é como sempre foi: o céu avermelhado de poeira, o vento revolvendo as folhas do chão, o ar abafado e quente insinuando a proximidade de alguma chuva, os ipês amarelos floridos aqui e ali. Começo de setembro que trás agosto consigo cheio de vento e poeira. A poeira vermelha de Dourados que faz parte de minha alma e cria a poesia em mim.
       Olhando os ipês na avenida lembrei-me de um ipê especial. O ipê que, da janela da escola,  nos dias de ginásio, tirava minha atenção das aulas de qualquer matéria. Perdia-me no encantamento daquele amarelo agrupado em cachos e fazia poemas de amarelo e azul do céu que emoldurava sua copa florida.
       Fiz o retorno na avenida e fui em busca dos dias de adolescência e da janela de minha escola. Quando virei a quadra, vi! Ele estava lá, florido como sempre esteve no início de setembro. Tirei fotos para guardar o que só tinha na memória.
       Uma parte de minha história florida no céu de setembro e cravada na terra de Dourados.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PATCHWORK

Carteira matrioskas Panô de costura e chaveiro Bolsa vintage Panô de costura e chaveiro

NETINHO

Netinho

Meu netinho querido, te esperei tanto e, por tantos anos desejei olhar seus olhos e sorrir teu sorriso brincar de vozinha com brinquedos pela casa e cheiro de bolo assando no forno Seu riso correndo no jardim seus pés de barro sujando a casa limpa, a pipoca esparramada no chão da sala e o desenho animado repetido incontavelmente assistido com você. Querido do meu coração, um dia vou te contar histórias de brinquedos e invenções que presenciei, que criei. Vou falar de sonhos e tradições de nossas famílias. Vou te contar o modo fácil de aprender sobre a vida deixar que você sorria de meus cabelos brancos e pergunte: Por que são brancos vozinha? Certamente direi: Cada um desses fios brancos representam o amor de tantos dias importantes que enriqueceram minha vida, para que pudesse te encontrar hoje e contar pérolas entesouradas no baú da experiência. Helena Rosali