quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Minha Terra

Já te falei como é minha terra?
Pois bem, ela é vermelha
Uma terra vermelha que molhada de chuva
parece roxa e marrom.
Molhada assim, vira barro
que gruda no calçado
e quando a gente anda
vai grudando barro
e vamos crescendo, crescendo
em enormes tamancos de barro.

Existem dias em que o sol
faz festa nas folhas das árvores
e brilha de um jeito em que é possível
ouvir a música do colorido
balançar do vento.

Minha terra, quando chega a hora
do sol se esconder,
transforma o céu em um espetáculo
de cores,formas e encantamento.

É assim minha terra.
mas eu sei que a terra que é minha
é todo o universo
dito no Divino verso:
"A Terra é um só País..."

Este pequeno pedaço de chão
que designo de meu
é um pedaço do mundo
que um dia será livre
das cercas físicas,
das cercas políticas,
das cercas das almas.
Helena Rosali

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Luar

A lua entra em meu quarto
morna e calma
acompanhada pelo vento
que espalha música nas folhas das árvores.

A colcha de retalhos
exibe tons desmaiados
da luz do luar.

Meus olhos buscam
na imensidão do céu
tudo o mais além da lua
Buscam
a minha lua em mim.
Helena Rosali

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Angústia

Quando o corpo reclama
e, angustiado sofre até se perder
nos labirintos da mente
nada há que possa traze-lo
de volta

Grades impedem a saída,
correntes pesadas impedem as pernas
de correrem
paredes escuras escondem o sol
o silêncio impera nos olhos em
busca de frestas.

Os olhos ensurdecem de dor
pelo que já não querem saber,
nem sentir.
Nos lábios marcas de palavras
que nunca serão ditas.

Nos retratos, sorrisos de uma imaginação
desfigurada.
Helena Rosali

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Boneca de pano



BONECAS

Tecidos, linhas e lãs
e elas tomam forma.
São felizes, coloridas
e nos trazem a alegria da infância.

Nestas horas, perdida entre as linhas
e as agulhas sinto a dor nos dedos
das furadas de agulha, das espetadas
dos alfinetes.
E a mão que dói de tanto repetir os mesmos
movimentos
mas, sinto a alma quieta
à espera do rosto que me fará sorrir.

O pensamento que some pelo espaço
do existir nos dias em que o mundo
não sabe para onde vai
e meu abrigo acaba sendo
o infinito mundo da criação.

Uma boneca traz em si
o vislumbre do sorriso de uma menina
O carinho de um lar nas horas de brincadeiras.
Um sorriso nos olhos
de crianças eternas.
Helena Rosali