quarta-feira, 24 de abril de 2013

Festas da solidão

Pode ser que a solidão
pronuncie festas
em meus pensamentos
tão cansados,
como é cansado o mover das folhas
quando a intensa chuva
lhe envolve a existência.

Festas de saborear o doce
e cálido o sussurro da noite
entoando orações
de bons sonhos.

A solidão passeia pelas horas
sorrindo em lindas fantasias
coloridas de tempos perdidos
e flores, flores, flores plantadas.

Pode ser que a solidão
não amanheça no recôndito
da alma entardecida
e voe deixando as flores...
as flores plantadas.
Helena Rosali

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Barulho da alma

A noite entrando pela janela
reclama a falta de silêncio
na sala amarela
e cheia de quadros das artes
inspiradoras de dias inquietos.

O barulho dos pensamentos
abstraem nas imagens de dias
cheios de risadas e crianças
correndo pela casa.

Mas a noite reclama
da falta de silêncio pois ouve
o barulho da minha alma
em busca do que já passou!

Helena Rosali

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Porta entreaberta

"É possível
que exista uma porta entreaberta
em mim."
Amanheci de um sonho
com esta frase presa
em meus pensamentos.

Um porta entreaberta
onde se espreita o segredo e o secreto
de um vivenciar efêmero.

De mim não imagino
o existir de uma porta sem as travas
de tanto viver contido
e esperado.

Que em meu coração espero
o amanhecer de cada dia
para a fabricação de mais um tijolo
que irá construir um
sonho que vejo distante.

Posso pensar de mim
que se entreabra a porta.
Mas, são tão poucos ainda os tijolos
que construirão esse sonho.
Helena Rosali